Mad Max: Estrada da Fúria

John Aslarona

Ao acompanhar a repercussão positiva envolvendo Mad Max: Estrada da Fúria, resolvi, antes de assistir o mais recente, ver a trilogia lançada no final da década de 1970 e encerrada na metade da de 1980. Impressionei-me com a habilidade de George Miller de inserir tensão, beleza estética e domínio das câmeras ao dirigir cenas de perseguição. [Ler mais …]

O homem de preto

coreto_no_parque_1_4

Após tomar um tapa de Eu sei, mas não devia de Marina Colasanti resolvi almoçar no parque municipal de Belo Horizonte para ver a vida. Fui ao Subway e comprei um sanduíche. Peguei a Bahia, cruzei Afonso Pena e desci os degraus do parque. Tal fauna, submersa ao quarteirão, é uma peça verde desgarrada do quebra cabeça de paisagem urbana. Um homem sentado na grama observa o andar pescoçal dos pombos. Nos bancos de madeira que encurralam o coreto, pessoas descansam a sombra e quaram, adquirindo vitamina D. Num dos bancos, há um homem negro de roupas pretas deitado. Escolho o coreto como refeitório pela altura, não só para ter mais visão do entorno, mas também por ser arejado. [Ler mais …]

Palmeiras profilático

corinthians_x_palmeiras-robinho_e_fernando_prass_LANIMA20150419_0172_58

O futebol ingressa na vida de homens e mulheres na maioria das vezes através do pai. O time é o cordão umbilical que comunicará o pai ao filho para o resto da vida. Meu pai me deu a primeira camisa do Palmeiras quando eu tinha seis anos, em 1994, ano em que o Palmeiras seria bicampeão brasileiro sobre o Corinthians. Em verde escuro e listrada de branco, recordo que era de um tecido grosso, muito quente e que quando eu me aproximava da tela da televisão ele acarrapichava e estralava, como os cabelos do braço. [Ler mais …]